A IOT NA GESTÃO DE MANUTENÇÃO: GANHOS REAIS PARA PRESTADORES DE SERVIÇO!
PLATAFORMA PARA GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS E GERAÇÃO E CONTROLE DE ORDENS DE SERVIÇO
GESTÃO DA MANUTENÇÃO, ORDEM DE SERVIÇO, HORÍMETRO, AR COMPRIMIDO, GRUPO GERADOR, GESTÃO DE EQUIPES, FIELD SERVICE MANAGEMENT, CMMS, FSM, ORDENS DE SERVIÇO, COMPRESSOR DE AR, ASSISTÊNCIA TÉCNICA, ENGEMAN, INFRASPEAK, PRODUTTIVO, AUVO
233
post-template-default,single,single-post,postid-233,single-format-standard,bridge-core-1.0.4,vcwb,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-18.0.8,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive

A IOT NA GESTÃO DE MANUTENÇÃO: GANHOS REAIS PARA PRESTADORES DE SERVIÇO!

Cada vez mais, a Internet das Coisas (IoT na sigla em inglês) está deixando de ser tendência para se tornar um dos “pilares” para empresas de manutenção industrial.

Basicamente, a IoT é um conceito de que qualquer dispositivo do nosso cotidiano tenha conexão a internet, o que vai de encontro diretamente aos processos de gestão de manutenção.

Neste contexto, existe o IIoT, Internet Industrial das Coisas, que envolve a aplicação do IoT dentro da indústria para sofisticação de processos.

Atualmente, 51% das indústrias no mundo inteiro estão interessadas no assunto. E não é por acaso! Entre os benefícios mais comuns estão:

  • Otimização do processo de manutenção preditiva, ajudando na análise automática de grande volume de informações;
  • Redução de custos;
  • Melhora na gestão dos técnicos;
  • Auxilio no monitoramento remoto e em tempo real;
  • Aumento da vida útil das máquinas e a confiabilidade;
  • Melhora na segurança dos dados.

No entanto, ainda não faz parte das políticas das indústrias brasileiras a adoção do conceito de IIoT. De acordo com um estudo realizado pela Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII), 65% delas não possuem nenhum programa de IIoT, enquanto apenas 29% conhecem a tecnologia.

Além disso, 45% não têm a intenção de implementar o projeto e 35% ainda desenvolvem projetos internos ou automação de máquinas.

Essa é a oportunidade que muitas empresas do setor de manutenção podem explorar para se destacar no mercado.

1. IOT E MANUTENÇÃO PREDITIVA 

No Brasil, devido à instabilidade econômica, houve uma significativa redução de investimentos na aquisição de novas máquinas, o que consequentemente gera uma necessidade para os equipamentos existentes terem um bom funcionamento.

Nesse contexto que a IoT oferece mais inteligência e agilidade, otimizando os processos de gestão e manutenção de ativos e dando soluções em tempo hábil.

Dentro do conceito de Manutenção Preditiva, que procura diagnosticar as falhas antes que elas venham a acontecer, a IoT acaba sendo uma forte aliada ao automatizar os processos através da coleta de dados sobre o desempenho de cada equipamento em tempo real.

Utilizando sensores com IoT, por exemplo, uma eventual irregularidade será detectada logo que ela acontecer, vindo a emitir um alerta para que se possa agir prontamente.

Integrar a manutenção preditiva ao IoT otimiza de forma significativa o ambiente de trabalho e gera mais competitividade, melhorando a infraestrutura, evitando riscos e indo ao “núcleo” dos problemas de forma antecipada.

2. MÉTODOS E APLICAÇÕES DA INOVAÇÃO NA MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

  • Sensores

Sensores  de temperatura: utilizam a variação do padrão de temperatura para identificar se o produto está funcionando de modo adequado, indicando a mínima e a máxima permitida. Caso haja uma variação, mínima que seja, o sensor alertará o ocorrido.

Sensores de nível: tem a mesma proposta do sensor de temperatura, mas calculando o nível máximo e mínimo de fluidos ou sólidos, determinados pelo posicionamento linear, fotoelétricos etc. Painéis monitorados por operadores irão identificar as variações de níveis.

Sensores ultrassônico: são capazes de detectar variações através das ondas ultrassônicas, não importando se o objeto é transparente, metálico, sólido ou líquido.

Sensores de vibração: A Conectados mecanicamente às máquinas, esses sensores atuam analisando o padrão de vibração dos equipamentos, funcionam à bateria e enviam dados estratégicos para os gestores de manutenção.

  • WCM

WCM é a contração para World Class Maintenance, ou Manutenção da Classe Mundial em tradução livre. Ele é a soma de várias técnicas e princípios que dependem dos diversos setores envolvidos no processo de manutenção, sendo os dez pilares:

  1. Produtividade: associado a disponibilidade do equipamento.
  2. Custo: manutenção é um investimento que reduz custos.
  3. Moral: o investimento na equipe de manutenção é fundamental.
  4. Confiabilidade: como o nome diz, é a disponibilidade do equipamento para a produção.
  5. Qualidade: quanto mais confiável o equipamento, maior a qualidade do produto final.
  6. SSMA: contração para Segurança, Saúde e Meio Ambiente. Os quatro impactam em todos os pilares.
  7. Estoque: bom controle de peças, realizando inventários periodicamente.
  8. Flexibilidade: como o nome diz, é a capacidade de executar os serviços em horários flexíveis.
  9. Pontualidade: entregar os serviços no prazo combinado.
  10. Liderança e Gerenciamento: um bom gestor conseguirá que todos os pontos anteriores sejam executados de modo eficiente.
  • TPM

É a contração para Total Productive Maintenance, que em tradução livre seria Manutenção Produtiva Total.

Basicamente, é um método de gestão que identifica perdas ao longo do processo produtivo e administrativo, visando maximizar a utilização do ativo industrial, garantindo assim a geração de produtos de alta qualidade com preços competitivos.

O objetivo é eliminar as causas das quebras e dos defeitos, garantindo uma manutenção planejada e programada, o que resulta em um ambiente limpo, organizado, seguro e, consequentemente, mais saudável. A ideia é “Quebra Zero”, “Defeito Zero” e “Acidente Zero”.

Se originando com o fim da segunda guerra mundial, houve uma evolução das estratégias de TPM ao longo dos anos nas mais diferentes indústrias, e atualmente ela é focada em cinco estratégias diferentes:

  1. Construção de uma organização incorporada objetivando a máxima eficiência dos sistemas de produção;
  2. A organização precisa focar na prevenção das perdas assegurando, ou pelo menos objetivando, zero falhas, zero acidentes e zero defeitos;
  3. Implantando a TPM, todos os departamentos de uma organização precisam estar envolvidos;
  4. Diretamente ligada ao ponto anterior, é preciso garantir que todos estejam envolvidos, desde os funcionários mais básicos até a alta gerência;
  5. Perda zero de atividades em pequenos grupos.
  • Softwares de automação

A automação é fundamental para que os gestores tenham informações em tempo real sobre o desempenho das máquinas e, desse modo, atuar de modo preventivo afim de evitar paradas inesperadas.

Além disso, a automação contribui significativamente para o aumento da vida útil das máquinas, já que o diagnóstico prévio resulta em uma resolução rápida dos defeitos, indicando também as causas das falhas.

Sendo um dos pilares da TPM citada anteriormente, ela garante o controle da produção, aumenta a confiabilidade e repetibilidade de modo fácil e prático ao operador. A automação converge para o controle operacional como telas, alarmes, comandos e instruções.

IOT: INOVAÇÃO EM QUE TODOS SAEM GANHANDO

O IoT veio para inovar e revolucionar a indústria 4.0, garantindo eficiência e confiabilidade das máquinas, prolongando sua vida útil e diminuindo os custos da empresa.

Quando a alta tecnologia é aliada a conceitos como a TPM ou WCM, a empresa ganha e o cliente também, promovendo um sentimento de confiança e lealdade à marca.

E você, já dispõe de algum tipo de inovação para atender os chamados na manutenção industrial? Deixe o seu comentário! Aproveite também para baixar gratuitamente esta Planilha de Gestão de Manutenção para organizar os seus processos!